Quem foi que roubou?

Saudade da minha infância,
do meu tempo de criança,
de toda aquela constância.
Hoje a vida balança,
não consegue se equilibrar,
escorrega em todo lugar.
Saudade daquela doce menina
que vivia dentro de mim
tão pequenina mas que, mesmo assim,
conhecia o segredo da felicidade
pois vivia mergulhada na ingenuidade.
Roubaram aquela menina de dentro de mim,
injusta e covardemente a levaram
e sequer me avisaram
que ela seria cruelmente substituída
por uma mulher vivida e sofrida.
Roubaram o que eu tive de melhor nessa vida.
E quem foi que roubou?
Acho que foi cada dia, mês e ano
que por mim passou
e ela foi roubada tão lentamente
que meu coração nem notou.

Silvana Duboc