Quem foi o culpado?

Pra que fingir, disfarçar
e de tanta diplomacia usar?
Pra que tentar enganar
se o maior engano
é dentro do peito que está?
Pra que forçar
e por que não evitar
aquilo que parece
que não vai se solucionar?
E a angústia cresce
e a tristeza não se esquece
que ela só acontece
justo pra quem não merece.
Pra que buscar
aquilo que já se tornou
tão difícil de achar?
Por que essa história tomou
um rumo inesperado
se parecia que, desde o início,
tudo estava tão bem calculado?
Em qual capítulo ela se modificou
e de um belo romance
num triste drama se transformou?
Quem foi o culpado?
Quem inconscientemente a criou
ou quem, inocentemente, nela acreditou?

Silvana Duboc