Se for capaz

No Teu corpo,
vou ser a fagulha,
atear o fogo,
te deixar louco.

Do Teu coração,
não peço nenhuma decisão,
gosto de agito,
não sou apito
não finalizo jogo.

Na Tua vida
jamais serei a agulha,
não sou mulher de remendos.
Te quero!
Que seja apenas por momentos.

Não estou te pedindo em casamento,
nada de esposa
apenas mariposa
seduzida por tua luz.
Aceito lascas.
Mas deixo marcas...

No Teu lençol,
estampas em cetim
feitas de pedaços de mim.
Em teu nariz
meus versos e prosas
com cheiro de rosas.

Foge deste amor
se és capaz.
Mas não
te arrependas
se tiveres jogado fora
tua única canastra de ÁS.
No buraco não se volta atrás.

Rosa Pena