Sem despedidas

Não quero despedida
até logo ou adeus
malas cheias de partida
lágrimas de incerteza
cartas rebuscadas de tristeza.
Não quero nenhum tipo de recordação
nem acompanhar a procissão
que vai te conduzir
no dia que tu resolveres ir.
Me recuso a fazer parte
dos que vão se despedir
e orar junto de ti.
Nesse dia vou querer me divertir.
Tomarei a tua mão
na minha imaginação
e voltarei a todos os lugares
onde juntos estivemos
e tantas coisas bonitas vivemos.
Verei o teu sorriso se abrindo para mim
e a tua voz macia me dizendo assim:
Eu ainda estou aqui
e, na verdade, de ti,
jamais irei partir.
Fiz morada no teu coração
e dentro dele
despedidas nunca haverão.
Construí uma ponte entre nós
e onde quer que eu vá
jamais te deixarei a sós.

Silvana Duboc