Seu nome: Passado

Ei, você aí,
pra quê ficar me perseguindo
me lendo, me seguindo?
Não sou novela pra ser acompanhada,
já ensaiei ser sua e não deu em nada
e aí a vida deu uma virada.
Deixa a minha poesia em paz
porque afinal hoje ela já não o faz
sentir nenhuma emoção
e eu já recuperei a minha razão.
Catei os meus pedaços,
engatinhei e depois voltei a dar passos.
E, então, minha vida voltou ao normal,
nada mais natural.
Quando o tombo é inesperado
o susto é complicado,
mas quando ele é aguardado
fica mais fácil de ser contornado.
E foi assim que aconteceu,
eu consegui contornar
aquela história de você e eu
e pude enfim me salvar
daquela enchente, daquele alto mar.
É, eu vou bem obrigada
e sinto muito você não poder dizer nada.
Imagino que você deve viver
como um bichinho acuado
morrendo de medo de ser encontrado.
Pois fique despreocupado,
você pra mim tem um nome: Passado!


Silvana Duboc