Sigo sozinha pelo mundo
 
Sigo sozinha pelo mundo...
Por semear o amor...
e colher uma farta ilusão.
Por percorrer caminhos...
seguindo placas indicativas, confusas...
que não conduziam ao coração.
Por acreditar no amor...
que não ousou acontecer.
Por ter meus olhos buscando outros olhos...
que não contemplam a magia de um olhar.
Por não permitir que me iludam...
com palavras a não realizar.
Por acreditar nas coisas simples do amor...
e depois constatar que não existem mais.
Por ser meio "careta"...
e não aceitar qualquer "parada".
Por ser meio "quadrada"...
vivendo em tempos atuais.
Por me valorizar como mulher...
e não topar uma aventura.
Por preferir a solidão...
que uma falsa ternura.
Por querer mais que momentos...
quando o amor tem hora para acabar.
Por valorizar o conteúdo interior,
conhecer uma alma vazia, e não me contentar.
Por querer amar perdidamente...
e não encontrar quem queira,
por amor, se perder...
Por ser fã da sinceridade, e apostar...
no afã de um querer, tão carente de verdades. 
Por acreditar em um sentimento puro...
e não sentir a pureza nas atitudes.
Por ter a alma soluçando...
ao ver os meus sonhos despedaçando-se.
Por ter um coração transbordando...
e o amor não me encontrar...
Por querer simplesmente,
e tão somente... amar...
Por, apesar de tudo, não desistir nunca,
e ainda ter ousadia... de sonhar,
os sonhos que não alcanço...

Por isso...

Escrevo e divago...

nas palavras, encontro afago.

Mas há perguntas que eu não me faço,

pois a resposta está no tempo... e no mundo.

e não em mim...

Posto que agora é madrugada...

e o silêncio é profundo.

Aprendi que o amor é sagrado,

e não profano.

Quero dormir para esquecer...
mas não me vem o sono...

e os pensamentos, assim como eu,

viajam, em sintonia...

em total abandono...

Lisiê Silva