Silenciando o coração

Caiu o pano
Silenciou o coração
A luz da paixão
Vai se apagando
Deixando ainda visíveis
Desilusão
Enganos
Vaidades...
Sonhos de felicidade
Que ficaram pelo chão

É o fim de uma ilusão!
O sorriso murchou
As palavras que brotavam
De nossas mentes devassas
Tornaram-se escassas
Só a solidão
Reina agora
Como senhora
Tripudiando
Sobre o amor

Melancólico desfecho
Inexperiência
Ou desleixo?
Não sei onde errei
O que fiz ou não fiz
Mas, se sou culpado
Se mereço ser castigado
Condena-me ao desterro
Assim, purgarei os meus erros
Deus sabe quando poderei ser feliz!

Walter Pereira Pimentel