Símbolos Sexuais

A política está tão repulsiva que vou falar de sexo.....
Outro dia, a Adriane Galisteu deu uma entrevista dizendo que os homens não querem namorar as mulheres que são símbolos sexuais.
É isto mesmo! Quem ousa namorar a Feiticeira ou a Tiazinha?
As mulheres não são mais para amar; nem para comer. São para "ver".
Que nos prometem elas, com suas formas perfeitas por anabolizantes e silicones? Prometem-nos um prazer impossível, um orgasmo metafísico, para o qual os homens não estão preparados...
As mulheres dançam frenéticas na TV, com bundas cada vez mais malhadas, com seios imensos, girando em cima de garrafas, enquanto os pênis-espectadores se sentem apavorados e murchos diante de tanta gostosura.
Os machos estão com medo das "mulheres-liqüidificador".
O modelo da mulher de hoje, que nossas filhas almejam ser, é a prostituta transcendental, a mulher-robô, a "valentina", a "barbarela", a máquina-de-prazer
sem alma, turbinas de amor com um hiperatômico tesão.
Que parceiros estão sendo criados para estas pós-mulheres? Não os há.
Os "malhados", os "turbinados" geralmente são bofes-gay, filhos do mesmo narcisismo de mercado que as criou.
Ou, então, reprodutores como o Szafir, para o Robô-Xuxa.
A atual "revolução da vulgaridade", regada a pagode,
parece "libertar" as mulheres. Ilusão a toa.
A "libertação da mulher" numa sociedade escravista como a nossa deu nisso:
super-objetos, se pensando livres, mas aprisionadas numa exterioridade corporal
que apenas esconde pobres meninas famintas de amor e dinheiro.
São escravas aparentemente alforriadas numa grande senzala sem grades.
Mas, diante delas, o homem normal tem medo.
Elas são areia demais para qualquer caminhão.
Por outro lado, o sistema que as criou enfraquece os homens que trabalham mais e ganham menos, têm medo de perder o emprego, vivem nervosos, fragilizados com seus pintinhos trêmulos, decadentes, a meia-bomba, ejaculando precocemente, puxando sacos, lambendo botas, engolindo sapos, sem o antigo charme "jamesbondiano" dos anos 60. Não há mais o grande "conquistador".
Temos apenas os "fazendeiros de bundas" como o Huck, enquanto a maioria
virou uma multidão de voyeurs, babando por deusas impossíveis.
Ah, que saudades dos tempos das bundinhas e peitinhos "normais" e "disponíveis"...
Pois bem. Com certeza, a televisão tem criado "sonhos de consumo" descritos tão bem pela língua ferrenha do Jabor.
Mas ainda existem mulheres de verdade. Mulheres que sabem valorizar o que tem "dentro de casa". E, acima de tudo, mulheres com quem se possa discutir uma música do Paulinho Moska ou de Ravel sem medo de parecer um "tio"
ou "aquele cara metido a intelectual".
Mulheres que sabem valorizar uma simples atitude, rara nos homens de hoje,
como abrir a porta do carro para elas. Cartas (ou e-mails) românticos.
Escutar no som do carro aquela fitinha velha dos Carpenters ou
o Cd dos Carpenters (Kenny G já chega a ser meio breguinha... mas é bom!!), namorar escutando estas musiquinhas tranquilas.
Penso que hoje, num encontro de um "Turbinado" com uma "Saradona" o papo deve ser do tipo "meu professor falou que posso disputar o Iron Man que vou ganhar fácil. Ah! querido, o meu Personal Trainner disse que estou com os
glúteos bem em forma e que nem vou precisar de plástica".
Para bom entendedor... meia.
E a música ?? Se não for o "último" "sucesso (????)" dos Travessos ou
Chama-Chuva ... é BONDE DO TIGRÃO...
Mulheres do meu Brasil Varonil!
Não deixem que criem estereótipos!!
Não comprem o cinto de modelar da Feiticeira.
A mulher brasileira é linda por natureza!!
Silicone é para as americanas que não possuem a felicidade
de ter um corpo esculpido por Deus e bonito por natureza.
E se os seus maridos ou namorados pedirem para vocês ficarem igual à
Feiticeira, fiquem... a Feiticeira dos seriados de TV: Façam-nos sumirem!!!

Arnaldo Jabor