Soneto

Que na união de espíritos puros
eu não aceite impedimentos.
Não é amor o amor que muda
quando mudanças encontra,
Ou se curva a quem quer extingui-lo.
Oh, não! O amor é um marco eterno
que inabalável enfrenta as tormentas,
é a estrela de todo barco errante.
De brilho certo, mas valor inestimável.
O amor não é joguete do tempo, embora,
ao envelhecer, os lábios nos entorte.
O amor não muda conforme
o dia e a hora,
Mas chega inalterado
até o fim dos tempos.
Se me provarem que isto
está errado, então,
Nunca escrevi
nem ninguém jamais amou.

Willian Shakespeare