Três histórias sobre a fé

Não questionar a busca

Sri Ramakrisna conta que um homem estava prestes a cruzar um rio quando o mestre Bibhishana se aproximou, escreveu um nome numa folha,
amarrou-a nas costas do homem, e disse:
- Não tenha medo. Sua fé lhe ajudará a caminhar sobre as águas. Mas no instante em que perder a fé, você se afogará.
O homem confiou em Bibhishana, e começou a caminhar sobre as águas, sem qualquer dificuldade. A certa altura, porém, teve um imenso desejo de saber o que seu mestre havia escrito na folha amarrada em suas costas.
Pegou-a, e leu o que estava escrito:
"Ó deus Rama, ajuda este homem a cruzar o rio".
"Só isto?",pensou o homem.
"Quem é esse deus Rama, afinal?"
No momento em que a dúvida instalou-se em sua mente,
ele submergiu e afogou-se na correnteza.


O anjo explica a penitência

O Verba Seniorum - coleção de textos sobre os monges que viviam no deserto, no começo da era cristã - conta a história de um ermitão que conseguiu jejuar durante um ano, comendo apenas uma vez por semana.
Quando terminou sua penitência, olhou para o céu e pediu que Deus lhe revelasse o verdadeiro significado de determinada passagem bíblica.
Não escutou nenhuma resposta.
"Que desperdício de tempo", pensou consigo mesmo. "Fiz todo este sacrifício e Deus não me responde! Melhor sair daqui e encontrar algum outro monge que saiba o significado deste texto".
Neste momento, apareceu um anjo.
- Os doze meses de jejum só serviram para você acreditar que era melhor que os outros, e Deus não escuta os vaidosos - disse o anjo.
- Mas quando você foi humilde, pensou em pedir ajuda ao seu próximo, Deus me enviou.
E o anjo revelou ao monge o que ele queria saber.


Sobre a lei do retorno

Um homem caminhava por um vale dos Pirineus franceses, quando encontrou um velho pastor. Dividiu com ele seu alimento, e ficaram um longo tempo conversando sobre a vida. Em um dado momento, o tema começou a girar em torno da existência de Deus.
- Se eu acreditar em Deus - disse o homem - tenho que aceitar também que não sou livre, e nada do que faço é minha responsabilidade.
Pois as pessoas dizem que Ele é onipotente, e conhece o presente, o passado e o futuro.
O pastor começou a cantar. Como estavam num desfiladeiro de montanhas, a música ecoava suavemente e enchia o vale.
De repente, o pastor interrompeu a música, e começou a blasfemar contra tudo e todos. Os gritos do pastor também refletiram nas montanhas,
e voltaram até onde os dois se encontravam.
- A vida é este vale, as montanhas são a consciência do Senhor, e a voz do homem é o seu destino - disse o pastor. - Somos livres para cantar ou blasfemar, mas tudo aquilo que fizermos, será levado até Ele, e nos será devolvido da mesma forma. "Deus é o eco de nossas ações".