Um pouco de Buda

As questões inúteis

Um homem se aproximou de Buda:
- Gostaria muito de seguir seus passos - disse.
Mas antes tenho uma série de questões filosóficas.
Buda virou-se para ele:
- O que você faria se fosse atingido por uma flecha?
- Iria ao médico.
- E você diria ao médico: eu não permitirei que o senhor remova esta flecha até que eu saiba a casta, a idade, a ocupação, e o motivo pelo
qual alguém me feriu.
- Se eu perguntar tudo isso, morro antes.
- Da mesma maneira, se você quer ter todas as respostas antes de dar
um passo, irá morrer sem sair do lugar - foi o comentário de Buda.

O que tenho nas mãos

Buda reuniu seus discípulos e mostrou uma flor de lótus, símbolo da pureza, porque cresce imaculada em águas pantanosas.
- Quero que me digam algo sobre o que tenho nas mãos.
O primeiro fez um verdadeiro tratado sobre a importância das flores.
O segundo compôs uma linda poesia sobre suas pétalas.
O terceiro inventou uma parábola usando a flor.
Chegou a vez de Mahakashyap.
Este aproximou-se de Buda, cheirou a flor,
e acariciou seu rosto com uma das pétalas.
- É uma flor de lótus - disse Mahakashyap.
Simples e bela, como tudo que vem de Deus.
- Você foi o único que viu o que eu tinha nas mãos
- foi o comentário de Buda.

Chá com semente de mostarda

Uma mulher, desesperada com a morte do pai, procurou Buda, pedindo que a curasse da dor que tal perda provocava.
- A cura é simples - disse Buda - Chá com semente de mostarda.
Mais tranquila, a mulher se preparava para ir ao mercado comprar as sementes, quando Buda advertiu: - Mas as sementes têm que ser colhidas no jardim de uma casa onde seus habitantes nunca tenham
perdido alguém que amavam.
Dois anos depois, a mulher voltou.
- Então, encontrou as sementes de mostarda? - perguntou Buda.
- Eu estava fechada em minha dor, não entendia que a morte é parte da vida - disse ela. - Mas descobri que tal jardim não existe; todo mundo já perdeu uma pessoa querida. E todos sobreviveram ao sofrimento.
Meu coração está em paz.
Sei que posso conviver com a dor, e seguir adiante.

Reflexão
Um texto do Dhammapada, coleção de alguns dos principais ensinamentos de Buda:
“Nós somos o que pensamos.
Tudo o que somos surge de nossos pensamentos.
Com o pensamento, construímos e destruímos o mundo.
O pensamento nos segue como uma carroça segue a parelha de bois.
Nós somos o que pensamos.
Nossa imaginação pode nos causar mais dano que o pior inimigo.
Mas, uma vez que conseguimos controlar o pensamento, temos a ajuda
mais poderosa, que nem mesmo nossos pais podem nos dar.”