Vai passar!

Vai passar como tanta coisa já passou,
vai acabar como tanta coisa já acabou.
Vai passar como as escolas de samba na avenida,
vai passar como passa a própria vida.
Vai passar como já passaram governantes,
como passa o tempo de estudante,
colegas, namorados e amantes,
bandidos, meliantes, bons e maus instantes.
Vai passar como tantas decepções,
como inúmeras emoções.
Vai passar como tantos sermões
que pai e mãe costumavam dar
e castigos que insistiam em aplicar.
Vai passar custe o que custar,
como passa a ressaca do mar,
como passa a noite e a escuridão,
o inverno, o outono,
a primavera e o verão,
o dia e a claridade,
muitos amores e muitas amizades.
Vai passar como passam as saudades,
as chuvas e as tempestades.
Vai passar como passam as alegrias,
as grandes farras e as orgias,
as tristezas e as agonias.
Tudo vai passar um dia,
seja no centro ou na periferia.
Vai passar toda e qualquer juventude
na sua imensa plenitude,
até a velhice vai passar,
um dia tudo há de terminar.
E quando realmente passar,
quando tudo definitivamente acabar
é que será possível ver
se algo conseguiu sobreviver.

Silvana Duboc