Vício

A gente vicia em certas amizades,
na entrega, na qualidade,
na beleza da relação, na sinceridade.
A gente vicia no olhar,
no jeito meigo de nos tratar.
A gente vicia nas lágrimas e nas gargalhadas,
nos rompantes e nas palavras pausadas.
A gente vicia na companhia,
tanto na tristeza quanto na alegria,
no carinho que nos é dado
sem cobrar nenhum centavo.
A gente vicia nos gestos e no som da voz,
nos trejeitos e em tudo que é dedicado a nós.
A gente vicia em curto tempo
num grande e doce sentimento
que só faz crescer e amadurecer.
A gente vicia nos defeitos e nas qualidades,
nos efeitos de algumas amizades
e vicia em qualquer idade.
A gente vicia em tudo que já foi dito
e em tudo que é tão bonito.
A gente vicia nos segredos
que ainda não ouviu
e respeita o tempo
que isso ainda não nos permitiu.
A gente vicia na delicadeza,
na generosidade e na grandeza
de um vício que não é proibido
pois não consta de nenhum artigo
que é fora da lei se viciar em um amigo.

Silvana Duboc